domingo, 28 de junho de 2015

Será a Grécia o fim , ou o princípio de uma Europa Solidária

Na minha opinião a Grécia representa uma diferente forma de ver os diversos problemas criados ao longo dos anos pelas entidades bancárias e que atingiram as economias mais frágeis da Europa, nomeadamente a Grécia e disfarçadamente Portugal através dos media e dos lídferes Europeus e FMI que tentam a todo o custo demonstrar o sucesso de um programa de austeridade falhado que manteve a dívida, aumentou o défice, o desemprego, os impostos,a carga horária de trabalho, a classe pobre e diminuiu salários, pensões  regalias do trabalhador comum como dias de férias por mérito, feriados mantendo as grandes regalias do politico e beneficiando bancos e grandes empresas com reduções de impostos.
Os Gregos demonstram a mudança de paradigma que tem operado na Europa e daqui por uns dias veremos a sua verdadeira força se o NÃO ao referendo pelas medidas impostas pela Troika ganhar.
Para já vemos Europeus incomodados, mercados preparados para afundar Portugal seguindo-se depois a Espanha,Itália e outros, sucessivamente acabando com a UE mais rápido do que seria de esperar.Os EUA apelam ao país mais forte do Euro para não deixar cair a Grécia, ou não fossem eles os mais interessados em manter a Europa submissa ao que a economia norte americana vai mandando.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Bem...Chegou mais um texto!

Após reflexão e incentivo de um novo amigo, senti-me tentado em voltar a escrever textos no meu blog.Passaram quase 3 anos desde o último texto e ao relê-los, sinto que continuam actuais, como se o tempo tivesse parado e o país de há 3 anos não se tivesse modificado.Muito se passou , infelizmente para pior e o país continua a mergulhar profundamente num sentimento de revolta, desmotivação, desconfiança nos políticos deste país e da Europa tão solidária que tem discursos que vão desde a ministra da Saúde da Lituânia a incentivar a eutanásia perante os pobres que não tenham dinheiro para os seus cuidados de saúde, como o município de marselha em França o país da Igualité,Fraternité e Liberté a marcar os sem abrigo como se fossem gado ou como faziam os Nazis na II Guerra Mundial com um triangulo amarelo na lapela.
A Europa, ou melhor os Europeus, irão permitir que alguns tecnocratas, neoliberais, promotores do capitalismo continuem a amordaçar quem somente quer viver, criar, envelhecer e morrer com dignidade...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tocando na ferida crónica que afeta o País...


Eis um artigo de opinião, em português por alguém que não é português mas que por cá viveu muitos anos e por isso consegue ter uma  visão realista, a roçar a perfeição do que tem acontecido desde a revolução dos cravos.É preciso mudarmos mentalidades, mas para isso talvez passe primeiro por impor novas regras, como uma nova constituição que responsabilize quem ROUBA!Portugal e os Portugueses!


"Pacífico, popular, poderoso. Portugal explode em fúria contra o Governo, a Troika e as suas políticas nojentas que tiraram as oportunidades de toda uma geração, que empobreceram todo o povo português, que deixaram os pensionistas destituídos. A fúria fervilhando nas ruas de Lisboa é tangível.

Mas não é apenas em Lisboa, está em cerca de 40 cidades de Portugal, de norte a sul, de leste a oeste, do litoral para o interior e o ambiente é comum a todos: a fúria causada pelas condições deploráveis ​​dos portugueses veio para a rua, uma fúria e um desespero contra e com a situação dos jovens de Portugal, uma fúria perante os pensionistas serem reduzidos abaixo dos níveis de pobreza aos que estavam acostumados, para níveis de miséria absoluta, uma fúria contra as medidas de austeridade anunciadas gota a gota, tornando-se cada vez mais absurdas... a cada dia.

Centenas de milhares de pessoas...há quem diga um milhão (nos EUA seria equivalente a 30 milhões de pessoas, na China, 300 milhões) foram às ruas hoje em Portugal. Em Aveiro, um jovem tentou atear fogo a si mesmo.
O primeiro-ministro, Pedro Coelho, perdeu o país - não surpreende, porque o valor constante na equação de um governo PSD é a ruptura social, que geralmente ocorre após dois anos do mandato. Pedro Coelho conseguiu isso depois de apenas um ano. Parabéns. Nada de surpreendente, realmente, o PSD sempre foi o partido que se rasteja pelas pernas dos seus mestres na Europa, tentando ser um "bom aluno" e recebendo tapinhas nas costas cada vez que ela seguiu as ordens. Lixando os portugueses, é claro.

Este é o partido do Presidente português ilustre, o Sr. Aníbal Silva, cujo governo PSD estava no poder de 1985 a 1995, a década após a adesão de Portugal ao projecto europeu, o partido que obedientemente ronronou como um gato quando foi informadoo que estava fazendo bem. Fazendo bem? Sim, a vender as pescas de Portugal, vendendo a indústria de Portugal, a vender a agricultura de Portugal, seus principais empregadores, deixando ... serviços.

Serviços? Sim, os serviços. Um país de garçons. "Oi! Diego, me traga outra cerveja, 'porra'!" "Sim, senhor! Desculpe senhor". "Oi, você! Por quê o peixe aqui está diferente do que está lá em casa?" Desculpe senhor, nós vamos tentar fazer que o peixe português tenha o mesmo sabor que tem no resto da Europa. Desculpe que o gosto seja diferente".

Exatamente. Subserviência e servilismo. Este é o legado de um ano de governo PSD, mais uma vez, lembe-botas dos seus amos lá fora. Desta vez é ainda pior, o FMI está envolvido e quando isso acontece, você está ferrado. As imposições que fizeram em Portugal são desumanas.

Querem lá saber, acho eu, o Primeiro-Ministro, o Governo, nem a maioria dos membros do Parlamento Português, exceto aqueles pertencentes a apenas dois grupos que nunca tiveram a hipótese de governar, ou seja, a CDU (coligação dos Comunistas e Verdes) e Bloco de Esquerda.

Eles não têm idéia sobre como é estar desempregado, porque, em muitos casos, eles nunca fizeram um dia de trabalho nas suas vidas miseráveis, eles não têm idéia de como é conciliar as despesas para pagar os custos absurdos de serviços públicos e de transporte que em qualquer país civilizado seria indexado aos salários, eles não têm idéia de como é fazer compras e colocar comida na mesa, porque nas suas casas, é uma empregada brasileira, uma cabo-verdiana ou uma ucraniana quem cuida disso.

Eles não têm idéia como é viver com uma pensão miserável de algumas centenas de euros e ter que pagar os custos crescentes de medicamentos. Nas farmácias, o trabalho de muitos farmacêuticos é ajudar os aposentados escolherem qual a lista de medicamentos que eles vendem porque não podem pagar o restante.

Eles não têm idéia de como é ver um senhor de idade, que já tinha uma posição digna, e no Estado Português, chorando no meio da rua com dor, dizendo: "Eu tenho uma pensão muito pequena, este Governo está roubando, eu tenho uma dor terrível e eu não posso pagar o tratamento ".

Eles não têm idéia de como é ter que trabalhar de sol a sol no campo, cavando, capina e plantio, coluna curvada, seis dias por semana, para ganhar a vida, porque a pensão desaparece nas contas de eletricidade e de gás.

No entanto, sem saberem porra nenhuma, eles implementam um aumento da contribuição para a segurança social de 11 para 18 por cento. Eles fazem alguma idéia sobre o que isso significa para a família média? Eles têm alguma idéia de quantas famílias estão prestes a cair pelo precipício? A resposta é não, e a resposta é que não se poderiam importar menos.

Qualquer pessoa que já viveu em Portugal sabe disso. A administração pública em Portugal, desde o nível nacional ao nível regional ao nível local, com raras exceções, é composta por um bando de traidores que vêem o serviço público como uma forma de enriquecerem.

Se não fosse, então por quê vender ativos de Portugal em troca de um tapinha nas costas como cães servis, por quê destruir os empregos para os filhos de Portugal a jusante, por quê lhes impõem o Euro em Portugal, sem fazer nada, enquanto os preços dobraram e triplicaram, por quê eles insistem em políticas de baixos salários e preços elevados, por quê eles não indexaram os preços de serviços públicos e transportes, aos ordenados? Para não falarmos de pensões.

Porque coletivamente, eles são um bando de ..... e merecem ... Que os leitores preencham os espaços.

Dito isto, os portugueses estão dignos demais, para fazerem isso. O escritor e poeta Miguel Torga disse: "É um fenômeno estranho, o país ergue-se indignado, o povo moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão".

O povo português não vai, e não deve, levantar-se em violência. O que eles deveriam fazer, porém, é tomar nota dos governos no poder nas últimas quatro décadas e garantir que eles nunca, nunca voltem para lá outra vez. O que eles deveriam fazer é criar uma plataforma cívica que tem acesso às finanças públicas e verificá-las los com um pente muito fino, tornando cada passo de governação transparente, publicado diariamente para todos verem.

O que eles deveriam fazer é criar um novo Departamento de Justiça, investigar todos aqueles em todas as posições do governo desde o nivel nacional ao nível local, a partir de 1974, julgar sumariamente os que são suspeitos de atividades criminosas, se forem culpados, retira-los todos os seus bense jogá-los na cadeia - como um prisioneiro comum, não daqueles prisões privilegiados para merdas e advogados - e criar um Ministério da Justiça, de que as pessoas podem se orgulhar. Você quebra a lei, você paga as conseqüências.

O que eles deveriam fazer é limpar os lobbies que bloqueiam o país, limpar a porcaria que infesta o Parlamento e substituí-la por patriotas, implementar políticas que forçam os bancos a fazer o que deveriam fazer (emprestar dinheiro), ou então nacionalizá-los, respeitar os pensionistas , respeitar as pessoas do campo e respeitar a juventude, para não mencionar a classe média, já pobre.

O que eles deveriam fazer é dizer à Troika para sair o mais rápidamente possível. Se querem mandar aqui, dêem salários europeus."

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

sábado, 15 de setembro de 2012

TEMOS QUE NOS FAZER OUVIR...

Hoje será mais um dia de luta para o qual devemos participar da melhor forma possivel quer através de manifestações, quer através de outros meios, para quem não poderá acompanhar as mesmas pelos seus mais variados motivos.Por motivos profissionais não me é possivel juntar-me aos milhares de portugueses que hoje irão a Lisboa dizer BASTA! ,a estas politicas asfixiantes que nos vão causando dissabores de cada vez que o Sr Passos fala ao país.Esta espiral recessiva que só não vê quem não quer,está bem, é egoista e pouco se preocupa com o país e as pessoas que sobrevivem a esta tempestade sem fim à vista, e com um meteorologista que teima em trocar de óculos e por essa razão não vê a depressão que se abate pelo país com ventos ciclónicos de impostos.Na realidade muita gente diz e comenta, não se pode fazer nada, é o destino, não há outro caminho.ERRADO!Totalmente errado e desenraizado da verdade.Na pura das verdades, existem alternativas, no entanto aos partidos que nos últimos anos têm estado no poder, essa verdade não lhes convém.Tudo o que está em causa são despesas feitas com a imensidão de pessoas ligadas às diversas máquinas partidárias e que ganham enormidades em salários,subvenções,ajudas de custo e afins, olhando somente para os amigos e compadres e sem principio de estado, de igualdade ou equidade entre todos os que cá vivem neste pedaço de Europa fragmentada por ideias neoliberais,economicistas em que as pessoas são somente peões que se mexem daqui para ali a seu bel prazer, de acordo com o objectivo traçado.
É preciso que se mude, que sejamos ouvidos, por isso faço um apelo para que todos nós nos insurjamos sem medo ou subjugação a estas medidas de destruição massiça, pensando a longo prazo.É tempo de os nossos politicos serem RESPONSABILIZADOS CRIMINALMENTE PELOS SEUS CRIMES! 

domingo, 9 de setembro de 2012

Guerra é o que eles querem?Aqui a têm..

Se era guerra que queriam então após muito silêncio neste blog,não por concordar com as politicas do atual governo,mas sim por falta de tempo, venho por este meio de combate, informar o governo e todos os que o apoiam que estarei contra todas as medidas neoliberais,injustas de desigualdade e atentado a todas as pessoas que trabalham para viver neste país e terem alguma "coisa".
CHEGA DE GOVERNANTES QUE NÃO NOS DEFENDAM,PIORES AINDA QUE AQUELES QUE O PRECEDERAM O SR .Passos, ganhou um INIMIGO!POR TODOS OS MEIOS AO MEU ALCANCE IREI LUTAR!JUNTOS VENCEREMOS!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A europa anda grega...

Grega de falta de visão que não seja uma visão economicista, virada para os grandes capitais e pouco interessada nas pessoas que vivem nesta união europeia formada por castas, onde os gregos, nós e mais uns poucos lutam por um bocado de pão que terá que ser pago com muita farinha.
As pessoas ao contrário do dinheiro(conforme anunciam diariamente nos media), é que definem o seu futuro.Mais cedo ou mais tarde não haverá ratings, mas sim mudanças profundas na europa que irão deixar marcas em todas as gerações que vivem nos dias de hoje e nos anos vindouros.Mudanças que poderão passar por manifestações mais violentas ou mesmo situações de guerra iminente.
Toda a europa ficou perplexa com o referendo pedido pelo primeiro ministro grego à sua população para pôr em pratica as novas medidas de austeridade, no entanto, não será de estranhar uma vez que segundo consta, um golpe militar poderia estar a ser preparado(terão sido substituidas hoje, as chefias militares gregas).A revolução contra o capitalismo e nomeadamente contra a alemanha e sua atitude de sobranceria está a crescer de dia para dia e eu  agora pergunto, se naõ tivesse emprego, dinheiro, perspectivas de futuro e tivesse fome, o que estaria disposto a fazer para contrariar essa tendência?

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Cortes e mais cortes.Advinhem em quem...

É impressionante, nestes três meses de desgovernação sociale humana,parece haver rumo certo e velocidade cruzeiro no controle de despesas,na busca de receitas extras, pela expoliação permanente do comum português.Sim porque as transações em bolsa,as off shore continuam a bulir a todo o gás sem sentirem a crise.Os grandes grupos económicos,os ricos continuam sem sentir o peso da crise.O aumento do IVA, só prejudica quem ganha pouco ou quem ganha com seu trabalho ao ver reduzir os clientes ao mesmo tempo que se vê obrigado a aumentar os custos dos seus produtos devido ao aumento de impostos.
O pior ainda está para vir dizem eles, no entanto vem referido na revista sábado(salvo erro) que desde que iniciaram governação o português paga em média mais 870 euros em impostos e que de 9/9 dias sobem impostos.Vem aí uma autêntica hecatombe!!!
Se calhar o despesismo dos nossos politicos é que deveria ser criminalizado.Na Islândia o primeiro ministro arrisca uma pena de prisão por ter levado o país a uma bancarrota.
O ministério da Saúde na realidade tem um excelente economista mas será que se esqueceram que economia da saúde é diferente de economia pura e crua?É uma área extremamente sensível com um atingimento social elevado e com repercussões graves para todos os beneficiários do SNS.Enfim, poderia escrever uma lista infindável de medidas antisociais, mas para isso teria que ficar a tarde toda a escrever e tenho que ir trabalhar para ganhar sustento para os meus e para os outros...

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Os tumultos no reino unido...

...Mais não representam do que problemas sociais à muito tempo mal resolvidos por governos sucessivos, não só do reino unido mas também de outros países europeus, nomeadamente Portugal.É impressionante, assustador e motivo para reflexão, o que assistimos na televisão nos últimos dias sobre os saques,violência, incêndios,... em Inglaterra, mas penso que devemos ver mais além, porque é que agem assim? será só pelo erro da policia, na morte errada de uma pessoa?ou será pelos problemas sociais em que vivem?Nada justifica a violência e há pessoas que a aproveitam em seu próprio beneficio, no entanto penso que devemos refletir sobre o que tem levado as sociedades a ter de tempos a tempos situações de violência.Estamos perante uma panela de pressão que por enquanto vai tendo uma válvula para libertar alguma da pressão contida pela repressão social,económica, tirando empregos todos os dias,criando subsidiodependentes em vez de apostar em criar empregos e dar meios de obtenção de formação adequada, reprimindo através de impostos cada vez mais altos, levando as pessoas a ficarem sem futuro, sem dinheiro e assistirem diariamente a lucros imensos dos bancos, das offshores, das grandes empresas de capital duvidoso, a conviverem com o luxo dos nossos governantes, administradores de empresas com salários surreais.
Uma panela de pressão sem válvula ao lume explode.O que acontecerá quando se perder a válvula da nossa sociedade a arder em lume lento?